Desafios da digitalização na Gestão Pública

A revolução tecnológica é uma realidade que todos estamos vivenciando, de forma, cada vez mais, conscientes e impactados. A diversidade de tecnologias, equipamentos e inovações que estão disponíveis para as pessoas no mundo todo, em especial no mundo em desenvolvimento, pode gerar uma infinidade de soluções e vantagens para as organizações, mas principalmente para os seres humanos e nossas atividades de trabalho.

Nesse processo, a inovação se configura como um dos maiores pilares para a melhoria dessas condições de trabalho e de acesso à produtos e serviços. No caso da gestão pública, a inovação tem uma abrangência maior, pois, de forma inicial, pode estar no modelo organizacional da instituição pública, nas ferramentas tecnológicas que os servidores utilizam, nos meios de comunicação digital e nos procedimentos para a execução das atividades.

Em uma abordagem mais avançada, a inovação pode estar no processo de integração de tecnologias, na entrega do serviço público ao cidadão, na agilidade e redução da utilização de recursos e, principalmente, na redução substancial de procedimentos burocráticos, tudo dentro da legislação e das normas existentes.

Na gestão pública, o processo de digitalização e/ou de transformação digital será, progressivamente, fundamental para um bom desempenho dos serviços prestados, dos processos internos, da imagem e reputação e da transparência e prestação de contas das instituições públicas. Assim, por meio da implementação concreta, eficiente e eficaz de ações, iniciativas e sistemas de inovação na administração pública, o desenvolvimento estrutural e sustentável dos estados, municípios e do país será realizado.

Porém, mesmo com tantos benefícios, o desafio da transformação digital encontra-se na forma de entrega de soluções inovadoras que contribuam para a resolução de problemas antigos e, ao mesmo tempo, acompanhem as atualizações e novidades sistêmicas. No Brasil, diante desse cenário em constante mudança, é importante que os gestores públicos de todos os níveis, sejam de estados, municípios ou federal, exerçam a função de agentes de mudança e liderem a implementação das melhores tecnologias e inovações, a partir do exercício da competência (conhecimentos, habilidades e atitudes) em busca das soluções e resultados adequados.

Em destaque, no mundo da tecnologia e inovações digitais, não existem formas iguais ou padrões para se chegar à soluções e resultados, mas é importante considerar a integração e interconexão dos sistemas tecnológicos, para que se tenha uma automação crescente das atividades repetitivas e desgastantes para as pessoas.

Modernizar e digitalizar áreas das atividades públicas como gestão da informação, atendimento ao cidadão, processos e controles de resultados, efetivando a simplificação e a desburocratização, possibilitará como consequência a melhoria do ambiente de negócios, o aumento da arrecadação, a redução de erros e inconsistências, com otimização do tempo e facilidade de acesso às informações.

Através dos avanços tecnológicos advindos da 4ª Revolução Industrial, tecnologias como IOT (Internet das Coisas), Big Data, Inteligência Artificial (IA), Machine Learning, Business Intelligence (BI) e Data Driven, dentre outras, são utilizadas para otimizar e melhorar os processos da administração pública. Todas elas auxiliam e possibilitam a digitalização e transformação digital da gestão.

Para implementação dessas tecnologias, é necessário atentar-se para pilares como a experiência do usuário, geração de valor, privacidade e cibersegurança. A experiência do usuário garante a satisfação dos usuários recorrentes e, também, contribui para a conquista de novos usuários. A geração de valor está na aplicação de tecnologias que promovam soluções inovadoras e atualizem os métodos anteriores, conectando a gestão pública ao uso de recursos que gerem benefícios ao cidadão. A privacidade e a cibersegurança, devem evitar a exposição e acesso não autorizado de dados confidenciais através de redes, garantindo a segurança das informações e o cumprimento da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados).

Para ampliar e consolidar o processo de digitalização de forma estratégica e eficiente das diferentes esferas e níveis de governo, o Estado brasileiro deve realizar importantes ações e iniciativas como preparar um plano de digitalização faseado; capacitar e sensibilizar as equipes sobre a transformação digital e elaborar e monitorar indicadores de resultados para melhorar a qualidade dos serviços.

Recentemente, temos visto os esforços da administração pública no Brasil com ações rumo à digitalização, gerando o aumento da consciência e reconhecimento sobre os bons impactos da tecnologia na gestão pública. Ainda temos um longo caminho, principalmente comparando o Brasil com outros países desenvolvidos no mundo, no sentido de compreender as demandas da sociedade, gerar maior eficiência e qualidade na prestação dos serviços e efetividade na resolução de problemas, construindo e incentivando um ambiente melhor para o desenvolvimento econômico e social com geração de empregos e renda.

 

faça parte da fundação

Inscreva-se e faça parte como um membro da Fundação. Contamos com seu apoio e participação.