O Tempo – Em MG, 42% dos eleitores são conservadores, revela pesquisa

Por Pedro Augusto Figueiredo para o Jornal O Tempo.

12 de novembro de 2021

Entrevistados defendem Bolsa Família e ensino religioso na escola e são contra o aborto

O instituto DATATEMPO mediu pela primeira vez o índice de conservadorismo dos mineiros. De acordo com a pesquisa, a maior parte da população, 41,9%, é conservadora. O segundo maior grupo é formado por 34,7% dos mineiros, que são ambivalentes e transitam entre posições conservadoras e progressistas. Já 22,8% da população do Estado é progressista, e 0,6%, muito progressista.

Para calcular esse índice, a pesquisa fez 11 perguntas aos entrevistados. O objetivo foi avaliar a opinião deles sobre temas como a legalização do aborto, a descriminalização da maconha e o casamento civil entre pessoas do mesmo gênero, dentre outras. Para cada uma dessas questões que o entrevistado se posicionou de forma contrária, foi atribuído um ponto.

Também foi questionada a opinião dos participantes do levantamento em relação a pena de morte no Brasil, militarização das escolas públicas e ensino religioso nas escolas. Em questões do tipo, o entrevistado que fosse favorável aos temas também ganhava um ponto.

Ao final, o instituto DATATEMPO criou uma escala e somou as respostas: quem não pontuou, foi considerado muito progressista; quem teve de 1 a 4 pontos foi classificado como progressista; os ambivalentes ficaram entre 5 e 6 pontos; e os conservadores, de 7 a 10. Seria muito conservador quem respondesse às 11 questões de forma conservadora, mas nenhum entrevistado cumpriu o critério.

CONSERVADORISMO

A pesquisa DATATEMPO fez uma série de perguntas aos entrevistados para medir o nível de conservadorismo em Minas.

A pesquisa DATATEMPO realizou 1.402 entrevistas em todas as regiões do Estado entre 29 de outubro e 3 de novembro. A margem de erro é de 2,62 pontos percentuais, e o nível de confiança é de 95%. Devido a arredondamentos, a soma pode ser diferente de 100% em 0,1 ponto percentual para mais ou para menos.

Maioria

As posições predominantes entre os mineiros são a defesa do Bolsa Família (85,2%), a avaliação de que as escolas devem ensinar as crianças a rezar e a acreditar em Deus (85%), a opinião contrária à legalização do aborto (81,2%) e a postura favorável à redução da maioridade penal (73,4%).

“Notamos que a maioria dos católicos e dos evangélicos se encontra mais associada ao conservadorismo. Já os espíritas tendem a concordar mais com atitudes progressistas”, avalia a coordenadora da pesquisa, Audrey Dias.

No cruzamento do índice com as respostas sobre a religião, 41,7% dos católicos são conservadores, número que chega a 47,9% entre aqueles que se declaram evangélicos. Entre os espíritas, 45% deles são progressistas.

CONSERVADORISMO

A pesquisa DATATEMPO fez uma série de perguntas aos entrevistados para medir o nível de conservadorismo em Minas.
Questões em que a resposta “a favor” foi contabilizada como conservadora (em %)

A pesquisa DATATEMPO realizou 1.402 entrevistas em todas as regiões do Estado entre 29 de outubro e 3 de novembro. A margem de erro é de 2,62 pontos percentuais, e o nível de confiança é de 95%. Devido a arredondamentos, a soma pode ser diferente de 100% em 0,1 ponto percentual para mais ou para menos.

Dados

A pesquisa foi feita de 29 de outubro a 3 de novembro. Foram 1.402 entrevistas em todas as regiões de MG. A margem de erro é de 2,62 pontos, e o nível de confiança, 95%.

 

Matéria por Pedro Augusto Figueiredo publicada no Jornal O Tempo em 12 de novembro de 2021.

faça parte da fundação

Inscreva-se e faça parte como um membro da Fundação. Contamos com seu apoio e participação.